Curso de verão do INF aborda sistemas emergentes

Curso ministrado pelos professores, Roberto Rodrigues e Barry Porter, da Universidade de Lancaster, Reino Unido
 
Ocorreu durante os dias 28/01 a 22/02 de 2019, o curso intitulado “Emergent Software Summer School: Building Systems that Self-Assemble and Self-Learn” (Curso de Verão de Software Emergentes: Construindo sistemas que se auto-montam e se auto-aprendem, em tradução livre), ofertado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação do Instituto de Informática (PPGCC/INF), em parceria com os professores Roberto Rodrigues e Barry Porter, da Universidade de Lancaster, no Reino Unido. O curso abordou a construção automática de softwares baseado em componentes com o uso de técnicas de aprendizado de máquina em tempo real.
 
Professores e estudantes do INF no curso de verão de Sistemas Emergentes. (Foto: Reprodução/Facebook)
Professores e estudantes do INF no curso de verão de Sistemas Emergentes. (Foto: Reprodução/Facebook)
 
Segundo o professor Roberto, a ideia do curso era compartilhar os conhecimentos sobre os Sistemas Emergentes (SE) desenvolvidos em Lancaster durante seu doutorado, com os estudantes e pesquisadores do INF. Um dos pontos do curso era “ensinar e difundir a linguagem Dana, a primeira linguagem que implementa de forma nativa um modelo baseado em componente que permite a adaptação do software em tempo de execução de forma rápida e segura” e também explorar sua utilização na construção de SEs em áreas de interesse dos alunos, como por exemplo, em Internet das Coisas (IoT).
 
A estudante de mestrado, Larissa Ramos, reiterou que participar do curso foi uma experiência única e que mesmo com ótimos professores no INF, a presença de um professor estrangeiro chamou a atenção por permitir “conhecer os trabalhos que estão sendo executados lá fora”. Mesmo com o curso sendo ministrado em língua inglesa, Larissa, disse que não houve problemas pelo motivo de o vocabulário ser em sua maior parte, formado por termos técnicos.
 
Ao ser questionado sobre a parceria internacional com a Universidade de Lancaster, Roberto, lembrou da importância que a internacionalização têm na disseminação do conhecimento. O mesmo afirma que “As colaborações ampliam a visão de ambos os grupos acerca de seus interesses de pesquisa, promovem o debate e visões diferentes a respeito dos problemas de pesquisa tratados”, além de proporcionar a troca de conhecimento e facilitar a identificação de novas frentes de pesquisa. Para Larissa, o fato de ter contato com professores estrangeiros, proporciona “uma troca de experiências, culturas e informações muito valiosa”.
 
Em relação ao resultado do curso, o professor Roberto, ressalta que foi positivo, pois os participantes apresentaram trabalhos surpreendentes. Sobre um novo curso no futuro, ele diz que a possibilidade está em cogitação, mas informa que palestras e seminários sobre o tema podem acontecer no decorrer do ano, porém ainda sem data prevista. Sobre novas parcerias com a Universidade de Lancaster, Roberto, diz que por meio do fundo de financiamento de missões científicas Newton Fund, existe a possibilidade para colaborações no contexto de co-orientações de alunos de pós-graduação do INF, e que “A ideia é estreitar a parceria Lancaster - UFG e trazer fundos internacionais para financiamento de pesquisa e suporte para envio de alunos do programa de pós para Lancaster e dos alunos de Lancaster para UFG”.
 
Texto: João Paulo Marques